música > letras

Deixa De Me Atormentar
Deixa De Me Atormentar
Arquétipos da alma

Que coisa é esta de não conseguir falar?
Porque é que eu fujo do que quero agarrar?
Fico sozinho a pensar com os meus botões
Porque é que eu vivo com tantas contradições?
Tento domesticar a razão que perdi
E se a encontrar vou fingir que a não vi
Se me abrires a porta eu vou entrar
Se eu beber da tua sede e me afogar
Se a saudade não importa deixa de me atormentar
Deixa de me atormentar
Há coisas estranhas que não consigo explicar
Como é que o desejo também pode magoar?
Se é impossível encontrar a solução
Estou condenado a viver nesta ilusão
Diz-me que chão pisar
A que árvore subir
Se tenho ou não de correr para te ver sorrir
Se me abrires a porta eu vou entrar
Se eu beber da tua sede e me afogar
Se a saudade não importa deixa de me atormentar
Deixa de me atormentar
Deixa de me atormentar

Que coisa é esta

De não conseguir falar?
Porque é que eu fujo
Do que quero agarrar?
Fico sozinho a pensar com os meus botões
Porque é que eu vivo com tantas contradições?
Tento domesticar
A razão que perdi
E se a encontrar
Vou fingir que a não vi
Se me abrires a porta eu vou entrar
Se eu beber da tua sede e me afogar
Se a saudade não importa deixa de me atormentar
Deixa de me atormentar
Há coisas estranhas
Que não consigo explicar
Como é que o desejo
Também pode magoar?
Se é impossível encontrar a solução
Estou condenado a viver nesta ilusão
Diz-me que chão pisar
A que árvore subir
Se tenho ou não de correr
Para te ver sorrir
Se me abrires a porta eu vou entrar
Se eu beber da tua sede e me afogar
Se a saudade não importa deixa de me atormentar
Deixa de me atormentar

Ricardo

Foi um flash, uma ilusão em que precisei de acreditar. Não foi amor, nem nunca poderia ser. Era apenas vertigem. Uma vertigem que irritava porque à beira do precipício nunca me fez cair. Não é para isso que as vertigens servem? Tentei convencer-me de que seria capaz de me atirar, de fazer trinta por uma linha para me deixar levar pelo apelo da loucura. Mas e depois se não me levanto? E se me perco no fundo do abismo? E se não me conseguir voltar a encontrar? Foda-se mais o Grilo Falante… é por essas e por outras que um dia destes nem preciso de bungee jumping e não me tiram lá de baixo nem à lei da bala!


Mário

Uma fase de viragem, um novo mundo a descobrir, uma terra de oportunidades. Caminhos nunca antes percorridos, descobertas ao virar da esquina. Eu abri a porta e ousei fechar o caminho que deixei para trás.